Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

No meu Palato

No meu Palato

Duorum 2017 e Marquês de Borba 2018 | 2 Tintos, cassis e uma ilha deserta

"Desde que a viagem à ilha desconhecida começou que não se vê o homem do leme comer, deve ser porque está a sonhar, apenas a sonhar, e se no sonho lhe apetecesse um pedaço de pão ou uma maçã, seria um puro invento, nada mais." José Saramago

Duorum 2017Como vos tinha prometido, devido aos tempos instáveis que vivemos vou passar a dar mais ênfase ao Cá por casa, sendo os destaques de hoje o Duorum Tinto 2017 e o Marquês de Borba Tinto 2018

Duorum 2017O Duorum Colheita 2017 (13€, 85 pts.) destaca-se pela sua cor vermelha viva e auréola violeta e pelo aroma puro, intenso, fresco e complexo onde prevalecem os frutos maduros, como a amora, a ameixa, a cereja e o cassis, balanceados por algumas notas florais de esteva e violetas.  É encorpado, fresco, com bom volume e taninos firmes, maduros e suaves.

Duorum 2017Um vinho com qualidade e classe, cuja acidez e fruta genuína acompanhou na perfeição umas Pernas de frango do campo (da minha sogra ;)) com estufado de ervilhas e cebola (podem encontrar a receita no final da publicação).

Duorum 2017Para uma opção "mais em conta" sugiro o Marquês de Borba Tinto 2018 (6€, 82 pts.), com uma excelente concentração aromática, boa intensidade e notas tão bonitas quanto equilibradas a amora, cassis e compota de frutos silvestres. 

Duorum 2017 e Marquês de Borba 2018Na boca tem os predicados para aguentar a voluptuosidade  e frescura do prato: fruta fresca, acidez e taninos suaves mas presentes.  

Marquês de Borba 2017Relativamente ao prato que escolhi para harmonizar com estes vinhos, Mar Sargeant, o Chef principal do restaurante Claridge's  (Londres) e braço direito de Gordon Ramsay diz muitas vezes que este é aquele que levaria para uma ilha deserta. As ervilhas estufadas com cebolinha em pickle são semelhantes às usadas na receita do clássico francês Petits pois à la française, à qual fiz algumas alterações, nomeadamente o uso do forno, do whiskey, do tomate, do majericão e da noz-moscada. 

Duorum 2017

Pernas de frango do campo com estufado de ervilhas e cebola (para 2 pessoas e uma Bia ;)):

-Aquecer o azeite numa frigideira grande (2 colheres de sopa de azeite), temperar as pernas com sal, pimenta, alho e noz-moscada;

-Fritar as pernas 5 minutos de cada lado (até começarem a ganhar um tom alourado escuro); 

-Adicionar o tomilho (4 raminhos, sejam generosos), 20g de manteiga, 2 colheres de sopa de whiskey, 50 ml de polpa de tomate, uma colher de sobremesa de manjericão e 150 ml de água. Transferir para uma assadeira e levar ao forno durante uma hora a 180ºC (com o grill ligado). (Não lavem a frigideira porque vão precisar dela mais à frente). Vão regando o frango com o molho de 10 em 10 minutos, e quando já tiver grelhado 25 minutos de cada lado (comecem com a parte da pele virada para cima), ponham o forno a 210 ºC para tostar a pele das pernas;

-15 minutos antes das pernas estarem prontas e na mesma frigideira que fritaram as pernas, derretam 25g de manteiga em lume médio e acrescentem 200g de cebola pérola em pickle (vai dar uma acidez espectacular ao prato).  Passados 10 minutos e depois das cebolas já estarem macias, adicionem 2 raminhos de tomilho, 400g de ervilhas (se usarem congeladas descongelem antes), 200g de couve lombarda picada grosseiramente e 150 ml de água;

-Rectifiquem os temperos e depois da água ter evaporada quase toda, retirem as pernas no forno e coloquem-nas numa travessa. O suco que sobrou do assado acrescentem-no à frigideira onde estão as cebolinhas, a couve e as ervilhas (reservem duas colheres de sopa desse suco);

-Para empratar, coloquem as cebolinhas, a couve e as ervilhas num prato e ponham a perna por cima. Reguem a perna com o restante suco do assado.

Esta é a minha receita de frango favorita e só faz sentido usarem-na com frango caseiro. Bom apetite ;)

 

Porto Extravaganza 2020 - Vintages Ferreira | As esquinas do tempo

"O mundo muito pouco atentará, e muito pouco recordará o que aqui dissermos, mas não poderá, jamais, esquecer o que eles aqui fizeram."  Abraham Lincoln

Porto Extravaganza 2020O discurso do qual retirei a frase de acima foi feito no local de uma das mais sangrentas batalhas da guerra civil americana. Gettysburg é a cidade que deu nome ao discurso, que é tido por muitos como o melhor discurso alguma vez feito .... e um dos momentos icónicos de Abraham Lincoln. O discurso que pode ser visto online (link) realizado a 12 de Novembro de 1863 é um dos maiores legados do presidente Lincoln. 

IMG_6610.JPGQuatro meses antes, 46.000 soldados de ambos os lados da Guerra Civil tinham sido mortos ou feridos na Batalha de Gettysburg, na Pensilvânia. As 273 palavras proferidas por Lincoln na cerimónia oficial de consagração do Cemitério Nacional apelaram aos princípios fundamentais da Declaração de Independência e aos ideais da União - "um governo do povo, pelo povo, para o povo".

Porto Extravaganza 2020Mas porquê falar de Lincoln passados 157 anos? A resposta poderia ser simples, nos tempos que correm, faz falta um líder carismático que proclame a ideia de a unidade dos estados estar intimamente relacionada com a defesa das suas diferenças, a ideia de que, apesar de sermos todos diferentes, só unidos e em conjunto podemos enfrentar adversários sanguinários. No combate a este vírus, a Europa, e arrisco-me mesmo a dizer, todo o mundo, necessita de ter esta visão Lincolniana dos estados, da vida e dos estados da vida.    Porto Extravaganza 2020A sua grande conquista, dizem os historiadores, foi a sua capacidade de motivar e mobilizar uma nação, apelando aos seus melhores ideais, enquanto agia "sem malícia para nenhuma cor, credo ou raça" na busca de uma sociedade mais perfeita, mais justa e mais duradoura. Nunca nenhum presidente da história americana enfrentou uma batalha tão grande (mesmo comparado com a que vivemos agora) e nenhum presidente conseguiu tanto em tão pouco tempo.

Porto Extravaganza 2020Mas como prefiro as respostas mais complicadas e menos óbvias, escolhi Abraham Lincoln para ilustrar historicamente esta publicação, porque para além de ser o meu político favorito e uma das personagens históricas que mais me fascina, Lincoln tinha também uma relação muito peculiar com a felicidade à mesa, entre amigos e copos de vinho. 

Porto Extravaganza 2020Seria difícil escolhermos um anfitrião mais abenegado: alguns documentos históricos mostram que, em 1861, os seus jantares entre amigos e visitas de estado incluíam seis copos de vinho diferentes, cada um para acompanhar cada prato da refeição. A esta relação próxima com o álcool não será de estranhar o facto de Lincoln ter crescido no Kentucky, junto destilarias e produtores de vinho.

Porto Extravaganza 2020Por último, o discurso de Gettysburg foi feito em 1863, o mesmo ano do vinho mais antigo que tive o prazer, honra e privilégio de provar na prova "Vinhos do Porto Ferreira Vintage vertical 1863-2017" do Porto Extravaganza 2020, "Vinhos Generosos de Portugal".

Porto Extravaganza 2020O organizador deste evento no Palácio Hotel Seteais, em Sintra, é Paulo Cruz  (Bar do Binho) que o apelida “do mais famoso evento de vinhos generosos” e, aqui para nós, não está muito longe da verdade ;) Conforto, um serviço exemplar, num espaço super requintado e numa prova com tempo e sem pressas, são marcas indeléveis do compromisso com a excelência que por lá se promove. 

Porto Extravaganza 2020A dobrar cada esquina dessa viagem, inédita e exclusiva, ao passado esteve Luis Sottomayor, enólogo que dirige a equipa de enologia da Casa Ferreirinha e de todas as marcas de Vinho do Porto da Sogrape Vinhos desde 1989, ano que entrou na equipa de enologia de Ferreirinha, liderada por mestre Fernando Nicolau de Almeida.

Porto Extravaganza 2020Começamos com o Ferreira Vintage 2017 Quinta do Porto (90€, 95 pts.). Um Ferreira não muito Ferreira, mais ao estilo Sandeman, com mais austeridade nos taninos, estrutura e volume. É muito denso e concentrado de aromas, com anis, alcaçuz, violetas, torga, resina e chocolate preto. Na boca mostra uma boa acidez, intensidade e equilíbrio.   

Porto Extravaganza 2020Com o Ferreira Vintage Vinhas Velhas 2016 (175€, 99 pts.) voltamos ao perfil clássico dos Vintages Ferreira. Com  notas arbustivas e minerais, é bastante mais fresco. No nariz é algo contido, quase parece um DOC Douro, exibindo ainda ameixa preta, cerejas, tabaco, cacau, pinho, caruma e pimenta preta. A acidez é bastante irrevirente e bem vincada e os taninos irrepreensíveis, que lhe dão um equilíbrio, complexidade e elegância incríveis. Um vinho tão bom quanto intrigante. 

Porto Extravaganza 2020Do mesmo ano, surgiu o Ferreira Vintage 2016 (70€, 96 pts.) e os respectivos aromas balsâmicos, forte mineralidade (ardósia), ameixa preta, figos secos, sous-bois, torga, chocolate preto e alcaçuz. Acaba com profundidade, equilíbrio, elegância e intensidade. Pareceu-me mais doce e menos fresco que o seu "gémeo falso". 

Porto Extravaganza 2020

Ao contrário do que seria esperar (devido à chamada adolescência dos vintages), o  Ferreira Vintage 2011 (90€, 99 pts.) já estava bastante bebível. Tem fruta preta em passa (uva e cereja), cedro, aromas arbustivos (cedro e torga), caril e pimenta preta. Mas o que verdadeiramente surpreendeu foi a sua excelente acidez, impressionante e que lhe faz antever (não é novidade nenhuma até pelo ano) uma excelente evolução em garrafa. Aqui há uns tempos numa formação de prova, ensinaram-me a avaliar a acidez de um vinho, pelo número de gostas de saliva que o vinho nos provocava por debaixo da língua, imediatamente após a sua prova. Se nos outros haviam 6-9 gotas neste existiam 14!!! É muito longo e extremamente equilibrado.

Porto Extravaganza 2020O Ferreira Vintage 2007 (90€, 97 pts.) é um vinho especial até pelo facto de ter sido o primeiro cuja vinificação foi da inteira responsabilidade de Luis Sottomayor, uma vez que nessa colheita José Maria Soares Franco já não se encontrava na Ferreira. Emana ameixa vermelha compotada, mirtilos desidratados, figos secos, pimenta preta, torga, tabaco e cedro. Na boca os taninos são redondos mas vibrantes, mostra boa acidez e surge um inesperado manjericão que o faz crescer em complexidade. Achei-o menos exuberante que o 2011.

Porto Extravaganza 2020E a partir daqui, meus amigos, dobramos uma esquina que nos faz entrar noutro campeonato, o dos Vintages antigos que me fazem salivar ;) Começamos pelo Ferreira Vintage 1966 (200€, 97+ pts.), um dos míticos anos no Douro e em que a qualidade foi excepcional. Anis, pêra confitada, amora desidratada, couro, mentol,  pimento, tijolo, iodo, farmácia, verniz e um vinagrinho inebriante. Dá uma prova super elegante, rica e complexa.

Porto Extravaganza 2020Seguiu-se o Ferreira Vintage 1952 (???€, 97+ pts.), do ano do 1º Barca Velha, brindou-nos com farmácia (mais evidente que o anterior), alcaçuz, figos secos, noz-moscada, notas terrosas, trufas, cedro, flor de limoeiro, mel, tabaco e resina. No palato é delicado, untuoso, equilibrado e com uma acidez que o faz parecer mais novo que o 1966.

IMG_6874.JPGRecuando mais duas décadas chegamos ao Ferreira Vintage 1934 (???€, 98+ pts.), outro ano extraordinário, com notas de café torrado, verniz, cereja seca, banana (???), baunilha, e uma acidez estupenda. Mais uma vez, na boca destaca-se o equilíbrio, a complexidade e a elegância.

Porto Extravaganza 2020Depois, um vinho que nem me atrevo a pontuar objectivamente, mas cuja experiência e subjectividade relacionada com a prova de um vinho tão antigo, tem certamente 100 pontos.  Do Ferreira Vintage 1863 não se conhece o enólogo (na altura adegueiro), a origem das uvas, que quantidade de aguardente foi adicionada ou que castas o constituem, mas é um vinho enorme. Provavelmente feito com quantidades consideráveis de castas brancas carrega sobranceiramente biscoito, maçã verde (??!!??), passas, chocolate branco, amêndoas, charuto, café, iodo e farmácia. Um hino aos aromas terciários e que no palato se passeia com elegância, intensidade, equilíbrio e complexidade. 

Porto Extravaganza 2020Em 1863 ainda a filoxera não nos tinha assolado, D. Antónia ainda se passeava pelo Douro e Abraham Lincoln fazia o discurso da união e dos momentos passados entre amigos e camaradas. O mundo muito pouco atentará, e muito pouco recordará o que aqui dissermos, mas não poderá, jamais, esquecer o que eles aqui fizeram e cujas memórias estão guardadas em garrafas como esta.

Porto Extravaganza 2020Obrigado Paulo pelo convite, esta prova entrou directamente para um dos dois primeiros lugares das minhas provas mais memoráveis, a par da vertical Barca Velha, também com a casa Ferreirinha e com Luis Sottomayor. Infelizmente, após o dia no qual esta prova ocorreu, surgiram os primeiros casos de COVID 19 em Portugal. Que esta seja apenas mais uma esquina, sombria, do tempo. Há que seguir um dos lemas da vida de Lincoln, o de construir degraus com as pedras em que tropeçamos, e que após este tempo difícil, os degraus que entretanto formos construindo nos tornem mais fortes. Termino com Saramago... 

"Falo do tempo e de pedras, e, contudo, é em homens que penso. Porque são eles a verdadeira matéria do tempo, a pedra de cima e a pedra de baixo, a gota de água que é sangue e é também suor. Porque são eles a paciente coragem, e a longa espera, e o esforço sem limites, a dor aceite e recusada - duzentos anos, se assim tiver de ser." José Saramago

 

 

Vidago Palace | Do regicídio ao nosso Adamastor

"Desde que tenhamos a razão do nosso lado, podemos ir até aonde o nosso dever indicar. Devemos prosseguir no nosso caminho, doa a quem doer, e nesse caminho sempre me encontrarás ao teu lado e ao dos teus colegas, por maiores que sejam os sacrifícios que eu tenha que fazer. Devo-os ao meu País, devo-os àqueles que com tanta dedicação o querem servir." Dom Carlos I de Portugal

Vidago PalaceEstávamos na tarde fria do dia 1 de Fevereiro de 1908, um Sábado. Os relógios marcavam 15 minutos após as 17 horas e o rei D. Carlos I regressava ao Terreiro do Paço em Lisboa, vindo de Vila Viçosa, após uma já tradicional temporada de caça, uma espécie de férias de Inverno da altura.

Nova Imagem7 (5).jpgHavia pouca gente na entrada do Palácio mais famoso da capital do reino. Quando a carruagem real circulava pelo lado ocidental da praça ouve-se um tiro e desencadeia-se um tiroteio. Depois da carruagem ter passado os populares desatavam a fugir em pânico. 

Vidago PalaceÉ então que um homem de barbas ( Manuel Buíça, professor primário expulso do Exército), se dirige para o meio da estrada, leva o olho direito à mira da arma que tinha escondida por debaixo da sua capa, ajoelha-se no chão e faz pontaria na direcção de D. Carlos I.  O tiro atravessou o pescoço do Rei, matando-o imediatamente. 

Vidago PalaceComeça um novo tiroteio: outros conspiradores, em diversos pontos do Terreiro do Paço, disparam sobre a carruagem, que fica crivada de balas.O rei D. Carlos e o príncipe herdeiro, Luís Filipe, eram assim assassinados por anarquistas. Este episódio deixa a monarquia fragilizada e dois anos depois é proclamada a república. O crime não foi investigado e os executores foram abatidos no local pela policia. 

Vidago PalaceSegundo Raul Brandão, jornalista/escritor português, famoso pelo realismo das suas descrições,  se tivessem deixado viver o Rei D. Carlos I, este teria sido um dos maiores e melhores reis da sua dinastia. Só ele falava (e sonhava) um Portugal maior, num Portugal esplêndido.  Perspicaz e com visão de serviço ao reino, tinha uma capacidade enorme para fazer discursos. 

Vidago PalaceEra  o político mais inteligente do seu tempo, um estadista sempre disposto a sacrificar o seu bem-estar em prol da Nação e que cumpria escrupulosamente o seu dever, um caso exemplar de Humanismo Português.  Quis o destino que uma das suas últimas obras fosse o Vidago Palace Hotel. 

Vidago PalaceSó um humanista sonhador como o rei D. Carlos poderia ter idealizado um hotel assim: cor-de-rosa, ao estilo Belle Époque, com coberturas azul turquesa, os abóbadas em estuque cinzento claro e adornadas com metal potenciadoras de um ambiente de culto à arte através da nobreza dos espaços.   

Vidago PalaceCá fora um pátio de honra em forma de entrada, um jardim à francesa, um lago encantado e inúmeras fontes de água. Ironia do destino, a primeira pedra foi lançada um dia depois da sua morte e a inauguração agendada para 5 de Outubro de 1910, tendo como (previsto) chefe de cerimónias o seu filho e sucessor, D. Manuel II. 

Vidago PalaceMas também este não chegaria a entrar no palácio, foi deposto pela revolução republicana em 5 de Outubro de 1910, na véspera da data prevista para a inauguração do Vidago Palace Hotel. Acabou por ser inaugurado no dia 6 de Outubro de 1910, sem pompa e sem circunstância. Um dia depois da monarquia desaparecer dando origem à republica.  

Vidago PalaceQuando entramos no hotel, somos convidados a desfrutar de um dos magníficos 70 Quartos & Suites ou a relaxar no moderno Spa Termal, cuja água mineral de Vidago, reconhecida pelas suas qualidades terapêuticas de excepção, é a rainha absoluta (se bem que a Bia tentou-lhe pôr o reinado em causa ;))!!!

Vidago PalaceNo parque, o campo de golfe que se estende triunfante ao longo de 18 buracos, convenceu-me a experimentar esse desporto ... um dia destes :)  Outro dos melhores predicados deste palácio escondido na floresta que combina, na perfeição, conforto, luxo e natureza é a gastronomia do majestoso Salão Nobre.

Vidago PalaceLá tivemos o prazer de desfrutar da acidez untuosa da Vieira com manteiga noisette, aipo, citronelle, ervilhas e funcho, da elegância, maresia e orientalidade do Robalo com emulsão de crustáceos e caril, arroz arborio, camarão e  chutney de manga-chilly. 

Vidago PalaceMais tarde surgiu a untuosidade, intensidade, riqueza aromática e jogo de sabores contrastantes do Lombinho de porco com especiarias exóticas, batata confit, doce de pimentos e espigos e a doçura levemente adstringente do Mil folhas de mascarpone e baunilha, com rosas, beterraba e framboesas

Vidago PalaceDestaco ainda, já no dia seguinte, um arroz de tamboril super delicioso, à moda antiga, e que por si só, justifica a viagem a Vidago ;) Uma cozinha assente nos produtos da época e da região, genuínos e frescos, potenciando o seu sabor e texturas plenos, que bebe influências mediterrânicas e que se apresenta à mesa através de uma dicotomia tradição/inovação muito interessante.  

Vidago PalaceEsta nau gastronómica tem ao leme Vítor Matos que para além de Chefe de cozinha é também consultor gastronómico do Vidago Palace, onde através do seu conhecimento, arte, engenho e emoções, nos proporcionou uma experiência gastronómica única e inesquecível.

Vidago PalaceNeste hotel Real, um dos mais belos monumentos portugueses, nenhum rei português ficou hospedado, mas foi a realeza que o sonhou e o fez nascer. Essa realeza nunca usufruiu dele, mas sim o povo e a encantadora vila de Vidago. Para alguém com a alma de estadista abnegada, como a de D. Carlos I, "o Diplomata", acredito que isto não o incomode, seja lá onde quer que ele se encontre agora. 

Vidago PalaceQuanto a nós, foram 3 dias muito bem passados a percorrer este universo encantado, com uma visita às tradicionais fontes e um passeio a pé pelos diferentes trilhos, que nos permitiram uma observação fantástica da biodiversidade que lá existia. Por tudo isto leva o selo de altamente recomendado pelo No meu palato. Outra ironia do destino, esta saída marca a última visita do blogue antes desta infame pandemia nos passar a amedrontar. 

Vidago PalaceNeste fim-de-semana, o do dia dos namorados, já o COVID-19 assolava a China e surgiam os primeiros casos em Itália. Parece incrível como tudo se agravou tão rápido, em pouco mais de um mês. Nas próximas semanas o blogue vai mudar um pouco o perfil, iremos publicar coisas que estão atrasadas, focar mais no "Cá por casa" com garrafas que os produtores me foram mandando e se foram acumulando na garrafeira, iniciar o "Não gosto" e esperar que tudo melhore. Todas as visitas que tínhamos agendadas foram suspensas, mas faremos questão de honrar todas, mesmo todas, logo a partir de Maio.

Vidago PalaceSei que estamos em tempos difíceis nas áreas nas quais o blogue se enquadra e que o futuro próximo não se antevê nada sorridente, mas urge transformar este cabo das tormentas no cabo da boa esperança. Aos produtores, restaurantes, hotéis e a todos os amigos que fomos conhecendo ao longo destes 4 anos de blogue, desejo-vos força, coragem e determinação. Isto vai passar. A nossa geração nunca teve de batalhar por independências, vencer ditaduras, dividir uma sardinha em três para se alimentar, partir para guerras ou derrotar Adamastores.

Vidago PalaceEste é o nosso Adamastor, esse gigante que atemorizou os nossos antepassados navegadores e que após vencido passou a simbolizar a superação do nosso povo contra medos, monstros e abismos.  Foi contra os seus próprios medos que os navegadores triunfaram e não tenho a mínima duvida que este Adamastor vírico terá o mesmo destino que todos os seus antecessores: a derrota perante um povo humilde mas unido. 

Vidago PalaceAproveitem este tempo em casa para fazer tudo aquilo que anteriormente se queixavam de não ter tempo. Tempo para a família, tempo para se divertir com os filhos, tempo para ler, tempo para aturar a mulher, tempo para aprender a usar a máquina de lavar loiça, tempo para regressar às brincadeiras de criança, tempo para dar uma valente desfalque à garrafeira (;))  e tempo para planear o que iremos fazer quando as coisas regressarem à normalidade. Até lá meus amigos, mantenham-se seguros e de boa saúde, para que mais tarde possamos brindar, juntos e unidos, com um vinho que necessariamente terá de ser bom,  à vitória sobre este terrível Adamastor. 

#staysafe  

 

 

 

 

Essência do Vinho - Porto 2020 | O intoxicante poder dos aromas

"As pessoas podem fechar os olhos diante da grandeza, do assustador, da beleza, e até podem tapar os ouvidos diante da melodia ou de palavras sedutoras. Mas não podem, nunca, escapar ao aroma. Pois o aroma é um irmão da respiração, e com esta, ele penetra nas pessoas, que não lhe podem escapar, caso queiram viver. E é bem para dentro delas que vai o aroma, directamente para o seu coração. E é lá dentro que se distingue, categoricamente, entre atracção e menosprezo, nojo e prazer, amor e ódio. Quem dominar os odores ... domina o coração das pessoas." Patrick Süskind

Essência do Vinho Porto 2020Quando me perguntam qual o meu livro favorito, não hesito na resposta: O perfume: História de um assassino de Patrick Süskind.  Nele é-nos contada a extraordinária história de um homem, que tinha tanto de talentoso como de abominável, de seu nome Jean Baptiste Grenouille.

Essência do Vinho Porto 2020Esta personagem execrávelmente sedutora vê a luz do dia, pela primeira vez, como uma criança bastarda, nascida num mercado de Paris, por debaixo da banca de uma peixeira, entre o lixo, a 17 de Julho de 1738. Ninguém o queria porque algo estava errado, muito errado, com ele: o seu corpo não tinha cheiro, nem bom nem mau, nenhum aroma emanava de Grenouille.

Essência do Vinho Porto 2020Ele era capaz de comer diariamente sopa azeda e aguada, sobrevivia com o leite mais diluído e pobre, e matava a fome com os legumes e as carnes mais podres do mercado. Ao longo da sua infância, sobreviveu ao sarampo, à disenteria, à varicela, à cólera, a uma queda de seis metros num poço e a um banho, não intencional, com água a ferver.

Essência do Vinho Porto 2020Apesar deste duro legado em forma de cicatrizes, arranhões, feridas e um pé magoado (que o fazia mancar), e contra todas as previsões, sobreviveu. Era duro como uma bactéria resistente e auto-suficiente como um insecto, que consegue viver apenas com uma gotinha de sangue sugada já no ano passado. Precisava do mínimo de nutrientes, de roupa necessitava apenas da indispensável para cobrir o corpo. Para a alma, não precisava de nada, era imortal. Amor, carinho, afectos e amizade eram conceitos tão estranhos quanto distantes.

Essência do Vinho Porto 2020Apesar de todo este "mau-feitio", Grenouille era dotado de um enorme dom: a de conseguir detectar o aroma de tudo o quanto existia. Devido a essa mais-valia, em adolescente, passou a trabalhar como aprendiz de perfumista, e é nessa arte que cria o único objectivo da sua vida: o de criar um perfume que lhe permitisse ter o seu próprio cheiro. Para tal, tem de captar o aroma, a essência, a alma cheirável, de bonitas jovens virgens a fim de criar um perfume tão perfeito, que a sua doçura fosse capaz de captar a atenção de todos os que o rodeavam. 

Essência do Vinho Porto 2020Se quiserem conhecer o final, leiam o livro, pois este resumo serviu apenas para introduzir a importância dos aromas nas nossas vidas. Foi a capacidade de nos fazer sentir esses aromas, bons e maus, página após página, que me fez "devorar" o livro em apenas 2 dias. Todos já ouvimos falar dos misteriosos poderes do olfacto na amizade, no amor e nas relações humanas, tendo sido já cientificamente comprovado que o olfacto é o sentido mais ligado à memória e às emoções. Muitas das boas recordações da vida de um enófilo surgem acompanhadas por uma boa garrafa de vinho (gostaram da transição? ;)). 

Essência do Vinho Porto 2020Este intoxicante poder dos aromas ficou bem vincado na Essência do Vinho - Porto 2020 ;) Foram quatro dias memoráveis, com mais de 400 produtores e cerca de 4000 vinhos representados e em degustação, de Portugal e do mundo, e 50 actividades paralelas. Entre estas incluíram-se provas temáticas, conversas sobre vinho, harmonizações enogastronómicas e jantares vínicos.

Essência do Vinho Porto 2020Este ano houve menos confusão, mais diversidade nas provas, um maior empenhamento dos produtores e melhorias evidentes na organização, que todos continuem assim no próximo ano ;)

Essência do Vinho Porto 2020Voltando aos aromas dos vinhos, gostei muito da mineralidade (xisto molhado), lima, flor de laranjeira, amêndoa tostada, delicadeza, harmonia e frescura do Alves de Sousa Berço Branco 2012 (35€, 90 pts.). Um vinho que tem tudo para melhorar em garrafa.

Essência do Vinho Porto 2020O Santiago na Ânfora do Rocim Branco 2019 (35€, 91 pts.) trouxe consigo os aromas terrosos (mais evidentes que na edição de 2018), a toranja, a lima, a flor de laranjeira, o damasco, a cera e o vegetal picante, que criaram um bouquet bastante rico e complexo. Exibe alguma salinidade, cremosidade e um final longo e bastante mineral (granito molhado).

Essência do Vinho Porto 2020Já o Villa Oliveira Encruzado 2016 (35€, 92 pts.) emanou pêssego, ananás, maracujá, tangerina, resina fumada, untuosidade, mineralidade (grafite), secura e complexidade. Já parecem surgir alguns abaunilhados/avelã resultantes do envelhecimento em garrafa, que lhe fazem antever um excelente futuro. 

Essência do Vinho Porto 2020Passando para os tintos, o Quinta da Basilia Sousão 2016 (25€, 90 pts.), apesar de ainda jovem, já se exibia muito denso, com notas de carvalho, ameixa preta, amoras, anis, mirtilos, tabaco, encorpado, bastante fresco (resultante de uma acidez inquieta), e taninos aguerridos, acabando muito longo (só lhe faltava uma bela de uma lampreia ;)).

Essência do Vinho Porto 2020Os frutos silvestres, ameixa preta, amora,  café, baunilha, leve couro, taninos polidos, volume, estrutura, concentração e secura foram os cartões de visita do Julian Reynolds Grande Reserva Tinto 2011 (25€, 92 pts.)

Essência do Vinho Porto 2020Tiago Cabaço Blog Tinto 2017 (25€, 93 pts.) surgiu, momentos depois, carregado de ameixa (desta vez vermelha), groselha, morangos, cereja, cacau, folhas de chã preto, pimenta preta, mineralidade (grafite), frescura e intensidade.

Essência do Vinho Porto 2020Gostei ainda da assertividade do Graham's Single Harvest Tawny 1994 (125€, 95 pts) que traja uma sedutora e densa cor âmbar, e que se mostrou muito complexo: com mel, caramelo, especiarias, flores silvestres, mirtilos, figos secos, nozes e café. Termina delicado, longo e equilibrado.

Essência do Vinho Porto 2020Da Madeira chegaram as notas a laranja confitada, caramelo, nozes, figos secos, cacau, resina, salinidade, doçura equilibrada pela acidez inebriante, e elevada concentração do Blandy's Malmsey 1981 (360€, 95 pts).

Essência do Vinho Porto 2020Num perfil diferente, o Ramos Pinto Vintage 2000 (60€, 92 pts) surpreendeu pelas uvas passas, bagas pretas, caramelo picante, baunilha suave, taninos de veludo e uma acidez discreta (mas presente). Está na altura ideal de consumo. Para último, uma agradável e aromática surpresa, o Niepoort Vintage Bioma Vinha da Pisca 2017 (??€, 100 pts). 

Essência do Vinho Porto 2020Tão surpresa que não faço a menor ideia de quanto vai custar, mas quanto à classificação, não há dúvidas, 100 pontos ;) O chocolate preto amargo, a ameixa preta, as amoras, os mirtilos (toda a fruta com uma "verdura" muito interessante), a madeira mais presente do que no seu irmão Niepoort Vintage 2017, a frescura incrivelmente precisa,  os taninos firmes e aguerridos mas a quererem ser domados pela garrafa, a elevada concentração e interminável final de boca são sedutoramente intoxicantes. Estamos na presença de um benjamim com alma de guerreiro ;)

Essência do Vinho Porto 2020Tivemos ainda o prazer de participar na «Casa Ferreirinha Callabriga: prova vertical», na «Riesling, a casta dos sommeliers» e na «Herdade Das Servas: a estreia do Carignan e a consolidação das vinhas velhas», das quais vos falarei mais tarde. A Essência do Vinho – Porto estará de regresso ao Palácio da Bolsa de 25 a 28 de Fevereiro de 2021, uma 18.ª edição que promete um programa memorável para assinalar o marco da maioridade.

Até à próxima, entretanto, continuem-se a deixar seduzir pelo intoxicante poder dos aromas do vinho que nos vai pincelando a alma com memórias e emoções.;)