Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

No meu Palato

No meu Palato

WOW Porto - The World of Wine | O amor ao vinho num desejo do Deus-lua

"O vinho é uma das coisas mais civilizadas e naturais do mundo que alcançou a maior perfeição. Oferece uma gama maior para o prazer e apreciação do que possivelmente qualquer outra coisa puramente sensorial." Ernest Hemingway

WOWAté onde precisamos "escavar" para encontramos o nascimento daquilo que hoje definimos como "museu"? Bem, se usarmos a definição mais ampla de arqueologia, a ciência que estuda vestígios materiais da presença humana, sejam estes vestígios antigos ou recentes, com o objetivo de compreender os mais diversos aspectos da humanidade, podemos rastreá-lo até aos tempos Bel-Shalti-Nana, uma princesa babilônica que criou o mais antigo museu em 530 a.C.!!!

WOWBel-Shalti-Nana, também conhecida como Ennigaldi-Nana, viveu há cerca de 2500 anos na cidade de Ur e teve um papel fundamental na história da arqueologia. O nome Ennigaldi-Nana que significa "a sacerdotisa, o desejo do Deus-lua", parece fazer parte de um conjunto de iniciativas levadas a cabo pelo seu pai, Nabonidus, de modo a reacender alguns dos antigos costumes babilónicos. 

WOWEsse reacender de antigos costumes prende-se com o facto da lua ser o astro essencial para a orientação desse povo nómada e ser também o "astro garante" da sua protecção divina. Este museu exibia artefatos recuperados sob as ordens do pai de Bel-Shalti-Nana, sendo a filha responsável pela rotulagem dos mesmos. Uma rotulagem detalhada e realizada em 3 línguas diferentes. 

WOWEste museu dedicou-se ao património cultural e acredita-se que, muito provavelmente, tivesse também um propósito educacional, pois junto a ele foi construída uma escola de escribas para mulheres de elite. Depois disto, o museu de Ennigaldi-Nana foi-se perdendo nas areias do tempo, até que Leonard Woolly o descobriu em 1925. 

WOWEste arqueólogo britânico ficou perplexo quando se deparou com a sua descoberta: uma quantidade considerável de artefatos, que não viam a luz do dia há mais de 1500 anos. Essas peças que conjuntamente com alguns textos provinham de diversas áreas geográficas e de vários períodos históricos, estavam felizmente bem conservadas.  

WOWNa verdade, esta paixão pelo passado, pela história e pelos museus de Ennigaldi-Nanna, parece mais ser uma característica familiar do que outra coisa. O seu pai era fascinado por tudo o que estava relacionado com história, o que o levou a promover diversas escavações e descobrir inúmeros textos perdidos.

WOWDeve-se a este "detalhe" o facto de muitos dos itens da colecção deste primeiro museu terem sido descobertos por ele, sendo por isso Nabonidus considerado o primeiro arqueólogo. Nabonido foi também o último rei do Império Neo-Babilónico e um reformador religioso. O seu filho mais velho, Belsazar, governou como seu regente por muitos anos, mas talvez seja mais famoso pela sua aparição no livro bíblico de Daniel, numa passagem em que o fim do reino Neo-Babilónico é desenhado/previsto por uma mão sem corpo numa parede (vamos retomar esta passagem mais à frente ;))

WOWInfelizmente, não se sabe muito mais sobre Ennigaldi-Nana, Nabonido, Belsazar ou o seu museu. No entanto, esta família pode ser considerada como a mãe de todos os museus.  Durante todos estes séculos, os museus foram adquirindo um papel fundamental/insubstituível na preservação da história e da nossa sociedade. Isto porque os museus conservam memórias do que somos e porque o somos, contando-nos histórias dentro da nossa história, que de outro modo poderiam ser esquecidas.

WOWApesar de existirem inúmeros temas nobres para museus e que nos ajudam a perceber um pouco da nossa história, o assunto "vinho" é um daqueles que há mais tempo foi intrinsecamente entrelaçado na trama da nossa memória colectiva. Independentemente do papel que ele foi desempenhando, por vezes principal, outras secundário, o vinho esteve sempre lá!!!

WOWEsteve lá quando no ano 4100 a.C. foi criada na Armenia a primeira adega; esteve lá quando em 3100 a.C. os faraós o bebiam nas cerimónias mais importantes no Egipto; esteve lá quando os fenícios o utilizaram como moeda de troca nos seus negócios no mediterrâneo em 1200 a.C.; esteve lá  quando no livro do Gênesis e após o dilúvio, Noé, sob os efeitos dele, se expôs demasiado aos seus filhos.

WOWEsteve também lá a comemorar os sucessos da civilização Grega e do império Romano entre 800 a.C e 150 d.C.; esteve lá em 1500 quando nós, os portugueses, quisemos oferecer algo com valor imaterial aos ameríndios através de Pedro Álvares Cabral, ou então ofertar um sinal de paz os senhores feudais do Japão nesse mesmo século; esteve lá com Hemingway a inspirá-lo a escrever "O velho e o mar" em 1952, esteve lá na segunda Guerra Mundial quando Winston Churchill motivou o seu exército dizendo-lhes que não era só pela França que estavam a lutar, mas por Champagne; e esteve lá na maior ressaca da história aquando da  revolução bolchevique.  
WOWTudo isto, como é óbvio, saltando inúmeros e importantes capítulos. Portanto, faz todo o sentido que o vinho tenha também direito aos seus próprios museus. Embora os museus possam parecer enfadonhos para alguns de vós, quando uma degustação de vinhos faz parte do programa, provar a nossa história e a nossa cultura, passa a ter uma conotação totalmente diferente. 

WOWHoje falo-vos de um dos mais bonitos e mais bem pensados museus dedicados ao vinho, o WOW Porto - The World of Wine, que compila a história, a magia e as emoções por detrás do vinho português, do ritual dos copos e da indústria da cortiça. Mas vai mais longe do que o seu próprio nome e acrescenta à fórmula a história da cidade do Porto e o que de melhor se faz no norte de Portugal, revelando os segredos por detrás de algumas das principais indústrias da região, como os têxteis e a moda.  

WOWPara os mais pequenos, há ainda uma fábrica de chocolate. Situado no coração da zona histórica de Vila Nova de Gaia, é possível visitar gratuitamente a sua praça central (com uma fabulosa vista sobre o Porto, por estes dias podem ser que encontrem também por lá a Bia no seu processo de formação vínica 😉).

WOWO WOW ocupa uns impressionantes 55.000m², nasceu da recuperação de antigas caves de vinho do Porto e oferece seis experiências imersivas em museus, cinco restaurantes (que valem realmente a pena), para além de bares, cafés, espaços para eventos e exposições, lojas e, como cereja no topo do "copo", uma escola de vinhos na qual é possível escolher cursos diários sobre vinho e gastronomia portuguesa.  

WOWEste é um conceito que tem tudo para dar certo, sobretudo para os apreciadores de vinho!!! Uma nota apenas para os que me costumam chatear com essas coisas: (A Bia estava a beber sumo de uva ... não fermentado ;)) Voltando aos museus... Podemos sem dúvida nenhuma argumentar que espaços como este são mais relevantes que nunca, pois permitem-nos abordar desde questões sociais importantes até preparar a melhor forma de encarar o futuro, e assim, um "humilde" museu, tem o poder de, partindo do passado,  refletir e moldar nossa sociedade futura ou então esculpir algum aspeto fundamental dessa mesma sociedade, como o vinho. ;)

WOWJá conhecia a história do primeiro museu, quando visitei o museu do vinho do WOW, por isso foi um momento particularmente delicioso, perceber que uma das primeiras obras apresentadas ser uns braços sem corpo a servirem vinho, que me fez recordar o episodio bíblico de Belsazar, no qual umas mãos sem corpo desenharam o fim de uma era. Que estes braços, igualmente sem corpo, possam desenhar o inicio de uma era bastante auspiciosa para WOW Porto - The World of Wine. Não fosse o contexto pandémico e tenho a certeza que este "novo distrito cultural" do Porto e de Gaia já faria parte dos principais roteiros enoturísticos mundiais.